Enem

Como se organizar para estudar sozinho? Confira 12 dicas!

Por Redação   | 

 Tag: Enem

Estudar sozinho nem sempre é fácil. É preciso autodisciplina para manter uma rotina proveitosa e satisfatória.

Você tem dificuldades sobre como se organizar para estudar sozinho? Então, confira 12 dicas que preparamos para ajudar!

Ganhe uma bolsa de estudos com a sua nota do Enem!

1. Defina um objetivo

Antes de tudo, é importante firmar um compromisso com você mesmo. Precisamos sempre ter um propósito em atividades que dedicamos tempo, esforços e recursos financeiros. Assim, pergunte-se “por que eu quero estudar?”

As respostas são várias: “arrumar um bom emprego”, “conhecimento”, "crescimento profissional", entre outras questões pessoais.

Analise a sua situação e inspire-se nos seus objetivos para seguir em frente e não desistir.

2. Defina um período de estudos

Estudar requer comprometimento. Quando estudamos sozinhos, o desafio fica ainda maior, pois é preciso ter foco para montar o nosso próprio cronograma de estudos.

Antes de qualquer coisa, defina um período para estudar.

Você trabalha ao longo do dia? Então, reserve na sua agenda um horário para estudar no durante a noite.

Definir um período específico ajuda você a firmar um compromisso com os seus estudos.

3. Crie um cronograma 

Depois que você definiu quando você vai estudar, chegou a hora de montar o seu cronograma de estudos.

O cronograma será o seu “guia” no percurso. Com ele, você vai se certificar de que estudou todos os conteúdos e não se esqueceu de algum tópico importante para o exame final, por exemplo.

Um dica é mesclar disciplinas que você tem maior dificuldade com disciplinas de mais afinidade. Dessa maneira, você faz um "balanço" e garante um bom rendimento.

4. Não acumule conteúdo

Seguir um cronograma de estudo é importante para evitar que o conteúdo acumule. O conteúdo acumulado é um dos piores pesadelos do estudante.

Tente cumprir o seu cronograma diariamente para não gerar o famoso efeito “bola de neve”, com pilhas de conteúdos pendentes que, provavelmente, você não vai dar conta de rever em tempo hábil.

5. Crie um ambiente para estudar

Prepare um espaço, que seja limpo, organizado e silencioso, para estudar. Criar um ambiente propício ajuda na hora da concentração. 

Antes de estudar, reserve alguns minutinhos para organizar esse espaço e reúna todos os materiais que você precisa (livros, cadernos e canetas). Assim, você minimiza as interrupções durante os estudos para procurar algo.

Assegure-se de ter:

  • uma mesa para apoiar o seu computador, notebook e outros objetos, como, livros, cadernos, copo de água, etc.
  • uma cadeira confortável, que dá a você o apoio certo para as costas e mantenha você no nível dos olhos com a tela do computador. É fundamental prezar pela postura correta para evitar problemas de coluna;
  • boa iluminação do espaço de estudos. Se preciso, adicione uma luminária.
  • boa conexão com a Internet para acessar palestras em streaming e download de materiais.

A imagem mostra uma garrafinha de água

6. Hidrate-se

A hidratação é essencial na hora dos estudos. Pesquisas mostram que beber água pode ajudar o cérebro a trabalhar mais rápido.

Assim, lembre-se da hidratação. Para ajudar, mantenha uma garrafinha ou um copo de água perto de você. Dessa forma, você vai visualizar e lembrar com mais facilidade.

7. Faça anotações

Uma excelente forma de aprender o conteúdo estudado é se envolvendo com ele através das anotações.

Enquanto você estiver lendo ou assistindo uma videoaula, procure anotar com as suas próprias palavras o que você entendeu. 

Depois, guarde suas anotações para fazer consultas e revisões.

8. Elimine distrações

Evite estudar em ambientes barulhentos e com muitos estímulos tecnológicos.

Desligue a televisão na hora de estudar e mantenha as notificações do celular desativadas. Se for possível, deixe o celular em outro cômodo ou guarde-o numa gaveta.

Com essas mudanças
simples , você aproveita melhor os seus estudos, pois não se distrai com facilidades, como dar um rápida “checada” nas redes sociais.

9. Priorize a qualidade do sono

Uma boa noite de sono impacta no seu bem-estar físico e emocional ao longo dia.

Quando dormimos bem, ficamos mais dispostos e atentos para nossas tarefas.

Um painel de especialistas da National Sleep Foundation, um instituto de pesquisa sem fins lucrativos dos Estados Unidos com sede em Arlington (Virgínia), publicou recomendações sobre quantas horas de descanso são necessárias de acordo com cada faixa etária. Confira: 
  • Recém-nascidos (0-3 meses): o ideal é dormir entre 14 a 17 horas por dia, embora também seja aceitável um período entre 11 a 13 horas. Não é aconselhável dormir mais de 18 horas.
  • Bebês (4-11 meses): Recomenda-se que o sono dure entre 12 e 15 horas. Também é aceitável um período entre 11 e 13 horas, mas não mais do que 16 ou 18 horas.
  • Crianças pequenas (1-2): não é aconselhável dormir menos de 9 horas ou mais de 15 ou 16 hora. É recomendável que o descanso dure entre 11 e 14 horas.
  • Crianças em idade pré-escolar (3-5): 10-13 horas é o mais apropriado. Especialistas não recomendam dormir menos de 7 horas ou mais de 12 horas.
  • Crianças em idade escolar (6-13): o aconselhável é dormir entre 9 e 11 horas.
  • Adolescentes (14-17): Devem dormir em torno de 10 horas por dia.
  • Adultos jovens (18-25): 7-9 horas por dia. Não devem dormir menos de 6 horas ou mais do que 10 ou 11 horas.
  • Adultos (26-64): O ideal é dormir entre 7 e 9 horas, embora muitos não consigam.
  • Idosos (65 anos ou mais): o mais saudável é dormir 7 a 8 horas por dia.

Confira algumas dicas para dormir melhor:

  • se possível, mantenha um horário fixo para ir dormir e acordar, estabelecendo uma rotina;
  • evite bebidas estimulantes antes de dormir, como café, chá preto, bebidas com álcool ou energético;
  • não durma com a televisão ligada;
  • desconecte-se do celular antes de deitar na cama. Evite levá-lo junto com você;
  • antes de dormir, tome um banho quente para relaxar ou leia um livro (físico!).

10. Pratique exercícios físicos regularmente

A prática de exercícios físicos proporciona uma série de benefícios ao corpo e a mente, impactando diretamente na qualidade dos estudos. Os principais ganhos são: 

  • melhorar a saúde a longo prazo;
  • reduzir os riscos de ataque cardíaco;
  • fornecer mais energia para a rotina;
  • ajudar a controlar colesterol;
  • regular a pressão arterial;
  • tornar ossos e músculos mais fortes;
  • melhorar a imunidade;
  • ajudar a dormir melhor;
  • melhorar o humor
  • aumentar a concentração e o estado de alerta;
  • aumentar a produtividade no trabalho;
  • ser mais mais feliz e saudável.

11. Organize os seus arquivos

A organização é um fator essencial para quem estuda sozinho. Ao longo da nossa jornada, lidamos com muitas informações, como livros, apostilas, cadernos, polígrafos e, para quem estuda a distância, os arquivos digitais são rotina.

É importante manter tudo organizado para não perder arquivos ou perder tempo procurando por eles.

Para os arquivos físicos, você pode utilizar uma pasta com divisórias para separar os polígrafos e anotações conforme o semestre.

Já nos arquivos digitais, você pode utilizar o armazenamento em nuvem, criar pastas para cada semestre e nomear propriamente os arquivos.

12. Relaxe corpo e mente

Dentro da sua rotina, inclua momentos para relaxar o corpo e a mente. Uma sobrecarga de atividades pode prejudicar no seu desempenho nos estudos. 

Existem muitas formas de relaxar. Confira algumas:

Faça exercícios de meditação e respiração

A meditação é uma potente ferramenta para tranquilizar o organismo. Existem diversas formas de meditar, confira um exemplo de meditação rápida, extraída do livro Atenção Plena: Mindfulness

MEDITAÇÃO DE UM MINUTO

1. Sente-se ereto em uma cadeira com encosto reto. Se possível, afaste um
pouco as costas do encosto da cadeira para que sua coluna vertebral se
sustente sozinha. Seus pés podem repousar no chão. Feche os olhos ou abaixe o olhar.
2. Concentre a atenção em sua respiração enquanto o ar flui para dentro e
para fora de seu corpo. Perceba as diferentes sensações geradas por
cada inspiração e expiração. Observe a respiração sem esperar que algo
de especial aconteça. Não há necessidade de alterar o ritmo natural.
3. Após alguns instantes, talvez sua mente comece a divagar. Ao se dar
conta disso, traga sua atenção de volta à respiração, suavemente. O ato
de perceber que sua mente se dispersou e trazê-la de volta sem criticar a
si mesmo é central para a prática da meditação da atenção plena.
4. Sua mente poderá ficar tranquila como um lago – ou não. Ainda que você obtenha uma sensação de absoluta paz, poderá ser apenas fugaz. Caso
se sinta irritado ou entediado, perceba que essa sensação também deve ser fugaz. Seja lá o que aconteça, permita que seja como é.
5. Após um minuto, abra os olhos devagar e observe o aposento novamente

Escreva

Algumas pessoas se sentem mais relaxadas depois de escreverem sobre seus sentimentos, externalizando e "passando" todas as angústias para o papel. Uma forma de praticas essa dica é criando um diário.

Rotina de calmaria

Em casa, tire um momento para apenas desancar. Ouça músicas calmas e tome uma bebida quente que não contenha álcool ou cafeína, como um chá de ervas, por exemplo

Contato com a Natureza

Quando estudamos sozinhos, permanecemos um bom tempo dentro de casa. Portanto, dê um passeio ou faça alguma outra atividade ao ar livre para descansar.

Conclusão

Estudar sozinho requer muito comprometimento e força de vontade.

Neste artigo, apresentamos doze dicas para ajudar você nessa missão. Com elas, você pode ter um tempo de estudos mais proveitoso, beneficiando-se de todas as vantagens de um aprendizado flexível.

Relembra cada uma e anote-as num papel: 

🚩 1. Defina um objetivo;

📅 2. Defina um período de estudos;

⏰ 3. Crie um cronograma;

🚫 4. Não acumule conteúdo;

🪑 5. Crie um ambiente para estudar;

💧 6. Hidrate-se;

📝 7. Faça anotações;

📱 8. Elimine distrações;

🛏️ 9. Priorize a qualidade do sono; 

🏋️ 10. Pratique exercícios físicos regularmente;

📂 11. Organize os seus arquivos;

🧘 12. Relaxe corpo e mente;


Se você gostou deste artigo, aproveite para conferir outros conteúdos do Blog do EAD UNIPAM: